Management 3.0: aprenda o que é e quais os benefícios para a gestão

Veja como elevar a performance na gestão de tecnologia da informação
setembro 30, 2020

Fazer uma gestão inovadora envolve uma série de aspectos, não é mesmo? Afinal, alguns dos resultados esperados não aparecem sem realizar uma mudança organizacional verdadeiramente profunda. Pensando nesse contexto, você já ouviu falar em Management 3.0? 

Esse modelo pode trazer uma série de benefícios para a sua empresa. Por conta disso, preparamos este texto especial. Ao longo da leitura, você entenderá quais são seus princípios e como ele ajuda o negócio a crescer. Aproveite o conteúdo! 

O que é Management 3.0? 

Em poucas palavras, pode-se dizer que o Management 3.0 — ou Gestão 3.0, em tradução livre para o português — é um mindset, ou seja, um jeito de pensar as diversas formas de gerir. Ele foi criado pelo holandês Jurgen Appelo, com base em sua experiência relacionada aos métodos ágeis

Segundo suas publicações sobre o tema, já passamos por diversas fases e mentalidades ligadas a administrar negócios, projetos e pessoas. Atualmente, vivemos em outro momento, que ele identifica como a era do Management 3.0. 

Appelo faz questão de destacar — seja em livros, seja em palestras — que seus conceitos não são como receitas e, por isso, não devem ser seguidos à risca. Eles servem mais como uma fonte de inspiração, porque são aplicados de acordo com as necessidades envolvidas.  

As visões trabalhadas pelo autor são originadas a partir de várias outras concepções já consolidadas no mundo corporativo. Portanto, um de seus grandes méritos é conseguir atualizá-las e traduzi-las em novos termos.  

Como o Management 3.0 funciona e quais são seus princípios? 

Em linhas gerais, o Management 3.0 se assemelha a uma metodologia ágil, isto é, seu foco é direcionado à autonomia dos times, à agilidade na comunicação e à busca por objetivos previamente estabelecidos. O engessamento dos processos dá lugar à capacidade de adaptação. Abre-se espaço para a flexibilização das lideranças e para a inovação nos projetos.  

Um dos grandes diferenciais da teoria de Jurgen em relação a outros métodos desse tipo é a visão humanizada a respeito da empresa — para ele, as pessoas devem ser o ativo mais importante de uma organização. Conforme o holandês, um ambiente de trabalho acolhedor, com colaboradores engajados, é a chave para alavancar o crescimento do negócio.  

Portanto, as ideias mais relevantes desse mindset pressupõem que entregas ágeis, eficazes e que geram valor para os clientes dependem de uma equipe bem satisfeita e da baixa rotatividade de pessoal. A tese acredita que a motivação vinda dos gestores para os outros integrantes seja um dos principais elementos para alcançar a excelência nos níveis de produtividade. O autor resume isso em 6 princípios: 

  • empoderar pessoas; 
  • energizar colaboradores; 
  • aumentar as estruturas; 
  • desenvolver competências; 
  • melhorar tudo; 
  • alinhar restrições. 

Como foi sua evolução até o modelo atual? 

Como mencionado, a Gestão 3.0 é a consequência de uma série de teorias, momentos históricos e experiências. Para chegar até esse modelo, as visões relacionadas à administração evoluíram e passaram por diversos estágios. 

O Management 1.0 representa os primeiros desdobramentos que aconteceram a partir da antiga Revolução Industrial. Os processos desenhados por Henry Ford, embasados nos de Taylor, faziam com que o funcionário desempenhasse sua função sem ter nenhum poder de decisão sobre o que fazer ou como fazer. As pessoas tinham que seguir o direcionamento, em uma estrutura que enviava ordens de cima para baixo.  

Depois de 1945, com a fim da Segunda Guerra Mundial, despontou a Gestão 2.0, que foi marcada pela implementação do Lean. 

Nela, o controle já não era absoluto e os colaboradores começaram a ser ouvidos, afinal, a ideia era priorizar a qualidade dos produtos. Cientes de que precisavam escutar um pouco mais seus comandados, os gestores começam a atuar como líderes. Foram criadas algumas metodologias, como Six Sigma, Gestão de Qualidade Total (TQM) e afins, mas a estrutura ainda era verticalizada. 

O Management 3.0, na prática, é uma evolução do 2.0. No entanto, desenvolveu-se uma visão a respeito da importância de manter pessoas mais motivadas e engajadas com os projetos a fim de reduzir erros e ganhar tempo. Os líderes adotaram uma postura mais colaborativa e entenderam a importância de servir.  

No 3.0, a relação entre comando e controle diminuiu, dando espaço aos ambientes que valorizam a felicidade dos colaboradores, que agora têm liberdade para exercer a criatividade e inovar na hora de cumprir objetivos. A gestão é horizontal e todos são responsáveis pelo sucesso da organização — Pixar e Google são exemplos disso. 

De quais formas ele pode ajudar e quais são os maiores benefícios? 

Esse modelo de gestão pode ajudar de inúmeras maneiras, principalmente em relação à melhoria geral dos processos e à produtividade. Pensando no contexto da transformação digital, a habilidade de se adaptar às mudanças e a facilidade para criar são tratadas como diferenciais competitivos indispensáveis.  

Além disso, estruturas horizontalizadas — nas quais todos se comprometem igualmente e as lideranças se preparam para servir a orientar — tendem a encontrar as soluções mais adequadas para os desafios cotidianos.  

Como implementar o Management 3.0? 

O ideal é que a implementação comece com um treinamento específico, ministrado por pessoas qualificadas e habituadas ao modelo. Em um primeiro momento, deve-se analisar as melhores estratégias para tirar algumas das principais práticas e técnicas do papel. Depois, é preciso abordar o gerenciamento de equipes e suas possibilidades. 

Treinamentos de Gestão 3.0, na maioria das vezes, são voltados aos gestores e gerentes, porque abordam procedimentos e alternativas que esses profissionais utilizarão no dia a dia com seus times. 

No Brasil, há uma cultura de líderes que não estão habituados a servir. Em uma perspectiva global, companhias que têm lideranças com essa virtude apresentam um nível de crescimento muito alto. Portanto, em vários casos, é necessário promover uma verdadeira revolução organizacional — o apoio de uma consultoria que vivencia esses valores é extremamente bem-vindo. 

Enfim, o Management 3.0 é um conjunto de táticas, medidas e princípios cada vez mais utilizados. Como mostramos, para colocar essa técnica em prática na sua empresa, é preciso ir além das teorias de Jurgen Appelo e mudar a mentalidade de gestão como um todo.  

Está gostando deste post? Cadastre-se na nossa newsletter e receba os próximos conteúdos sobre transformação digital e mais!

Português